Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Seminário reforça atenção e vigilância sobre o suicídio no Estado

Publicação:

As 600 vagas para o seminário se esgotaram há mais de duas semanas, demonstrando a importância do tema.
As 600 vagas para o seminário se esgotaram há mais de duas semanas, demonstrando a importância do tema.

Mais de 600 profissionais de saúde participam nesta quarta-feira, 13, do Seminário Intersetorial Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio, que está sendo realizado no auditório do Ministério Público, em Porto Alegre. A atividade integra a programação do Setembro Amarelo, mês que trata prevenção do suicídio. Superando as expectativas dos organizadores, as 600 vagas para o seminário se esgotaram há mais de duas semanas, demonstrando a importância do tema. O Rio Grande do Sul é um dos estados com maior índice de suicídios no país, alcançando mais de mil mortes autoprovocadas por ano.

Capacitar quem trabalha com o tema para a compreensão do suicídio, conscientizar a respeito da importância do tema e como lidar com indivíduos em situação de risco e de crise são os principais objetivos do encontro. O Rio Grande do Sul é um dos estados com maior índice de suicídios no país, alcançando mais de mil mortes autoprovocadas por ano.

Na abertura do seminário nesta manhã , o secretário estadual da saúde, João Gabbardo dos Reis, ressaltou a importância das notificações das tentativas de suicídio, que por muitas vezes não são realizadas pelos serviços de saúde. “O primeiro passo para conseguirmos identificar as causas e e melhor maneira de agir é através da informação”, destacou. Segundo estimativas previstas na literatura médica, para cada óbito por suicídio existem outras 10 tentativas. Em 2015 (dado consolidado mais recente), foram 1.139 casos de suicídio no RS. O total de notificações de tentativas no mesmo ano foi de 3,2 mil casos, quando a previsão é que possa ter havido em torno de 11 mil tentativas.

Também presente à cerimônia de abertura, a secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria Helena Sartori, destacou a importância do trabalho do Comitê Estadual de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio. “Estamos tratando de uma questão que já foi tabu, é necessário falar, esclarecer. Precisamos de políticas públicas alinhadas e de uma rede de apoio, formada pela família e escola, para prevenir e salvar vidas”, afirmou Maria Helena.

Entre os temas apresentados hoje, estão uma análise da situação no RS e por que notificar as tentativas, apresentadas pelas coordenadoras do Comitê de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio do RS, Marilise Souza e Andréia Volkmer. Também membro do comitê e professora da Escola de Saúde Pública da SES, Claudia Wayne Cruz, fez um resgate histórico e concepção do fenômeno. Já o professor da Faculdade de Medicina da UFRGS e coordenador do Programa de Depressão na Infância e Adolescência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Dr. Christian Kieling, abordou a questão do suicídio entre os jovens. Além desses, o seminário contou com falas do professor da PUC-RS, Dr. Luciano Marques de Jesus, sobre o sentido da vida e suicídio, e do coordenador do Comitê de Prevenção do Suicídio da Associação de Psiquiatria do RS, Ms. Rafael Moreno.

Secretaria da Saúde